11 Dicas Simples de Como estar Super Preparada para a Chegada do Bebê

chegada do bebe

Você chegou no terceiro trimestre da gestação e ainda tem dúvida do que precisa comprar antes da chegada do bebê? Você tem dúvida do que precisa fazer antes de ir para a maternidade? 

Neste artigo você irá encontrar as melhores dicas de como se preparar para a chegada do bebê, com um checklist de afazeres para você ir se programando até a chegada do seu pequeno! Vamos começar?

chegada do bebê

1 – Fazer o enxoval de bebê

Se você é daquelas Mães que deixam tudo para cima da hora e ainda não fez o enxoval do seu bebê, saiba que a hora é agora! 

Você está no terceiro trimestre e o seu bebê pode vir a qualquer momento, por isso comece a comprar o que falta para o enxoval de bebê. É muito comum ver Mamães deixando para comprar em cima da hora carrinhos de bebê e berços.

 

Se você tem dúvida de qual berço comprar, eu recomendo o berço 3 em 1 da grão de gente (clique aqui para ver o review do berço 3 em 1).

 

2- Se preparar para a amamentação

Lembre-se de comprar sutiãs de amamentação, eu recomendo você ter pelo menos 4 para que você possa estar sempre trocando.

Absorventes para seios ou absorventes normais são imprescindíveis nos primeiros meses que é quando o corpo geralmente produz mais leite. No caso de absorventes normais, corte-os no meio e coloque uma parte em cada seio.

Se caso você ja tenha passado leite materno no mamilo e não obteve sucesso na cicatrização, recomendo pomadas de lanolina.

3- Lavar as roupinhas do bebê e organizar as gavetas

Uma das coisas mais gostosas de se fazer quando estava grávida, pois era o sinal da chegada do bebê.

É importante que você lave as roupinhas do bebê antes de colocá-las nele. A pele do bebê é muito sensível nos primeiros meses, e qualquer sujeira ou poeira pode irritar a sua pele.

Lave as roupinhas com sabão de côco e se possível depois de secas, recomendo que você retire as etiquetas, pois podem incomodar o bebê.

Na hora de guardar cada Mãezinha gosta de fazer do seu jeito, mas aqui em casa separamos as roupinhas por tamanho p,m e g. 

4- Organize o cantinho ou quarto do bebê

Se você ainda não começou a organizar o cantinho do seu bebê, comece depois de ler este post! Quanto mais a sua barriga for crescendo, mais cansada você estará para fazer as coisas, então trate de arrumar as coisas! 

Arrumar o cantinho/quarto do bebê é uma delícia e você provavelmente irá ficar sonhando com o dia que seu bebê irá deitar no berçinho, que você sentará na poltrona para amamentar, e nos momentos lindos que vocês irão ter juntos! 

 

5- Faça a mala da maternidade 

A barriga está crescendo e a chegada do bebê pode ser a qualquer momento! Confira aqui o checklist completo para você fazer a sua mala da maternidade e não esquecer de nada!

 

6- Escolha o nome do bebê

Escolher o nome do bebê não é uma tarefa fácil, pois é o nome que ele terá durante a vida toda. 

Você ainda está em dúvida qual nome colocar no seu bebê? Confira este artigo com idéias para nomes de bebês.

7- Faça um curso sobre o parto 

  • Aula de parto. Conheça todas as Fases do Trabalho de Parto, como passar por elas, utilizando técnicas respiratórias e exercícios. Clique aqui para saber mais 

 

 

8- Baixar um aplicativo para verificar as contrações 

Quando as contrações começarem a “apertar” é hora de ir para o hospital. 

Por isso o ideal é que você baixe o aplicativo para contrações desde agora. 

Clique aqui para baixar o aplicativo.

 

9- Colocar a cadeirinha no carro

Se você já comprou a sua cadeirinha de bebê está na hora de colocá-la no carro para que ele volte em segurança na saída da maternidade.

Se você ainda não comprou, aqui está uma lista de modelos de cadeirinhas de bebê para você comprar online. 

 

10- Procure um pediatra

Comece a pesquisar pediatras para o seu bebê desde já, pois assim que o bebê estiver com você, as idas ao pediatra serão constantes e o ideal é que você encontre um que você tenha mais afinidade e que segue uma linha de pensamento parecida com a sua. 

 

11- Organize-se com a alimentação 

A alimentação durante a gravidez e o pós-parto deve ser balanceada e diversificada. 

E durante os primeiros dias que você estiver com o bebê o ideal é que você tenha pratos que já estejam prontos, ou alguém que possa ajudar você na cozinha. 

A dica é estocar a sua geladeira com snacks fáceis, e congelar diferentes potes com comidas para que você esteja bem preparada para a chegada do bebê.

 

 

Gostaram das dicas? Se você tem mais dicas, deixe aqui nos comentários! 

Ajude o Blog a crescer compartilhando este artigo com os seus amigos!

chegada do bebê

Mala Maternidade: Confira a lista de tudo que você precisa levar!

bolsa maternidade

Você está no terceiro trimestre e está com dúvida do que precisa levar na mala maternidade? Você não quer levar a casa inteira mas também não quer que falte nada? Então está no lugar certo! 

O post de hoje é sobre tudo que você precisa levar na sua mala maternidade, tanto para você e seu bebê, como para o papai ou o acompanhante que estiver no dia, além de dicas extras do que levar se você resolveu ter o seu bebê em um Hospital Público. Vamos lá?

mala maternidade land



O dia está se aproximando e você está meeega ansiosa para conhecer o seu bebê e mal pode esperar para colocar as roupinhas novas que você comprou e a “saída da maternidade”. Eu sei eu sei, eu já passei por isso e é uma ansiedade que não cabe no peito! 

E muitas vezes por estarmos tão ansiosas, acabamos esquecendo de levar uma coisa ou outra na mala da maternidade, o que é super normal, mas se você estiver longe de casa ou de alguma farmácia pode passar por um sufoco para achar o que precisa, e não queremos isso não é mesmo?

Por esse motivo resolvi fazer a lista da mala maternidade para que você não esqueça de nadinha, com o checklist de tudo que você precisa levar! Vem comigo?

Mala Maternidade Mãe

 

  • 5 Calcinhas 
  • 2 ou 3 pares de meia
  • 1 Chinelo
  • 2 Robes abertos ou roupão
  • 2 Pijamas que possam abrir na frente
  • 4 Sutiã de amamentação 
  • Cinta pós parto 
  • Calcinhas de cintura alta 
  • Elásticos de cabelo
  • Sabonete
  • Shampoo
  • Condicionador 
  • Creme para pentear
  • Desodorante
  • Escova de cabelo
  • Escova de dente
  • Maquiagem 
  • Toalha 
  • Absorventes grandes (pacote)
  • Absorventes para seios
  • 1 Travesseiro para dormir
  • Cobertor
  • Lençol
  • Capas para vaso sanitário 
  • Álcool 70
  • Roupa para sair da maternidade 
  • sapato para sair da maternidade (opcional)

Lembre-se que nem tudo dessa lista talvez você irá usar, mas é melhor pecar pelo excesso do que faltar algum item na sua mala maternidade. 

Calcinhas e sutiãs são provavelmente os primeiros itens que você irá lembrar de colocar na sua mala de maternidade. É importante lembrar de sempre colocar algumas calcinhas e sutiãs extras na sua mala, pois é um item que suja muito fácil, especialmente no pós-parto. 

Opte por calcinhas mais altas que prendam a sua barriga (recomendo calcinhas de cintura alta sem elástico), pois depois que você tem o bebê a sensação é como se os “órgãos estivessem todos soltos” e você sente a necessidade de “prender” a barriga. Não recomendo calcinhas baixas, especialmente se você teve ou terá cesariana pois elas podem ficar na mesma altura que a cicatriz e será muito desconfortável para você. 

Absorventes se possível geriátricos ou calcinhas pós-parto são imprescindíveis nesse momento para absorver o sangramento no pós-parto. 

Compre sutiãs de amamentação, que sejam fáceis de abrir e fechar. Os sutiãs são muito fáceis de molhar, especialmente durante os primeiros dias, pois o corpo produz mais leite no início, e por isso você provavelmente terá que fazer várias trocas de sutiãs durante o dia, por isso é sempre bom ter um extra.

Os absorventes para seios são importantes nesse início da amamentação, pois o corpo estará produzindo mais leite do que precisa nesse início até se adaptar às necessidades do bebê. 

Dica: Se você estiver produzindo muito leite e o absorvente não estiver dando conta, experimente usar um absorvente normal noturno e corte-o no meio. Além de ser mais barato do que o absorvente para seio, ele absorve mais leite. 

As cintas pós-parto eu só fui conseguir usar quase 2 meses depois que tive o bebê, pois estava muito inchada, minha cicatriz ainda doía muito e as cintas me incomodavam, por isso recomendo você usar quando se sentir mais confortável. 

Definitivamente, você precisa de um elástico de cabelo no pulso e outros extras caso você perca o seu no meio da confusão. Parece um item simples, mas tudo que você irá querer no meio de uma contração e outra, é prender o seu cabelo o mais alto para que você se sinta o mais confortável possível e não fique com o cabelo na cara na hora do parto. Vai por mim!

Chinelo! O básico nessas horas é a melhor opção. Você terá provavelmente que andar para todos os cantos do hospital, antes (para dilatar se for o caso) e depois do parto, e por isso opte por um chinelo confortável em vez de rasteirinhas.

Pijamas confortáveis com blusas que possam abrir na frente de forma fácil são a melhor opção. O hospital costuma ser um lugar frio, e eu não sei vocês, mas eu sou mega friorenta e preciso de uma calça de moletom e uma meia para esquentar os meu pés. E por isso deixei a “camisola com robe mais bonitinha” para o dia de visitas apenas. 

A necessesaire com os itens de higiene são imprescindíveis na mala da maternidade. Algumas maternidades particulares até oferecem um kit de higiene, porém não são todas, e elas só terão o básico como sabão, shampoo e condicionar. Por isso recomendo que você leve a sua necessaire com os seus itens de higiene, especialmente se você pretende ter o bebê em uma Maternidade Pública. 

Maquiagem para fotos e a saída da maternidade. Você acabou de ter um bebê, e é visível o cansaço em seu rosto. Não se julgue por não estar bonita, ou não ter penteado o cabelo do jeito que você queria. Mas se realmente você estiver muito incomodada, faça uma make básica para levantar um pouco a sua autoestima.



Mala Maternidade Bebê

 

  • 5 conjuntos de bodies e calça (RN)
  • 5 macacões (inverno ou verão)
  • 3 mantas 
  • 5 fraldinhas de pano para ombro
  • 4 pares de meia
  • 2 toucas 
  • 3 pares de luvas 
  • 1 conjunto de roupa especial para a saída da maternidade 
  • 1 pacote de fralda RN/P
  • lenço umedecido 
  • Algodão (pacote)
  • 1 pomada para assadura
  • 1 sabonete de glicerina 
  • 1 toalha de bebê 
  • 1 escova de cabelo para bebê
  • Álcool 70 
  • Sacolas de plástico para colocar roupa suja
  • Cadeirinha de bebê para o carro

O bebê estava em um lugar super quentinho e de repente se encontra em um hospital gelado, imagina o susto? Por isso, o ideal é que você aqueça o seu bebê com toucas, luvinhas, meias e roupas que tenham calça. 

É importante que você tenha roupinhas extras caso o neném faça cocô na roupa ou a roupa caia no chão e fique suja de alguma forma.

Muitas Mamães além dos bodies e macacões compram a saída da maternidade, que é uma roupinha especial para sair do hospital e finalmente ir para casa. 

A cadeirinha de bebê é imprescindível para que o bebê possa ir para casa com segurança, especialmente para você que mora longe da maternidade. Por isso não leve o seu bebê no colo pois ele estará correndo risco de vida. 

Os itens de higiene do bebê são muito importantes. Algumas maternidades até disponibilizam fraldas e algodão, porém você não vai querer correr o risco né? Por isso a melhor opção é levar o seu kit higiene.

Algumas maternidades não indicam limpar o bebê com lencinho umedecido no começo. Eles indicam limpar o bebê com algodão e água. De qualquer forma, o lencinho umedecido é um item perfeito para as Mamães também na hora de ir ao banheiro, limpar superfícies, dentre outras funcionalidades, por isso recomendo você levar na sua mala da maternidade.

O álcool 70, além de servir para higienizar as mãos e superfícies, serve para limpar o umbigo do bebê, e a cicatriz da cesárea nos primeiros dias. (confira com o Médico para saber o que ele indica.)

Mala Maternidade Pai

 

  • carregador de celular
  • Celular
  • Documentos de identificação 
  • Câmera para fotos
  • 1 ou 2 mudas de roupa confortáveis
  • Notebook 
  • Dinheiro para trocado do estacionamento 
  • Snacks 
  • Escova de dente
  • Pasta de dente
  • Travesseiro
  • 1 par de meias

O pai geralmente lembra de coisas que as Mamães na hora não vão lembrar, como máquinas de fotografia, carregadores de celular, dinheiro para dar no estacionamento, dentre outros itens.

Dependendo da Maternidade o espaço dedicado ao acompanhante pode ser bem desconfortável, por isso recomendo que o pai leve um travesseiro se for pernoitar na Maternidade. 

Mala Maternidade Documentos 

 

  • Pasta com os exames realizados durante a gravidez
  • Plano de Parto 
  • Caneta
  • Documento de Identificação 
  • Carteira do Plano de Saúde
  • Carteira 

A pasta com os documentos, caneta, carteirinha do plano de saúde e plano de parto devem estar em um local na mala da maternidade de fácil acesso, pois esta será a primeira coisa que os funcionários da Maternidade irão te pedir. Não coloque a pasta no fundo da mala, pois na hora do desespero você não saberá onde colocou e o risco do seu marido desarrumar a mala toda para procurar se você não estiver em condições, é muuuito grande!

Mala Maternidade Sus

 

  • 2 ou 3 lençois 
  • travesseiro
  • Cobertor
  • Álcool 70
  • Sacolas plásticas para roupa suja
  • 2 Toalhas 

Esses são os itens extras que você precisará levar na mala maternidade se for para o Hospital Público.

Muitas Mães hoje em dia estão optando em ter seus bebês em Maternidades Públicas, para que possam ter um Parto Humanizado. 

E se essa for a sua escolha saiba que infelizmente o SUS(Sistema Único de Saúde) não oferece alguns itens básicos que toda Maternidade deveria ter, como lençóis, travesseiro, toalhas, álcool 70, algodão. 

 A verdade é que não são todas as Maternidades Públicas que estão em falta com os itens básicos, porém é muito difícil de saber qual que têm e qual que não, então o ideal é que você leve os seus itens de casa para não correr o risco de não ter na Maternidade pública na hora que você precise.

Bolsa Maternidade Land Original

Bolsa maternidade LAND/mochila amamentação/saída maternidade.

Acompanha: 

1 Mochila Land Original modelo 2020

1 trocador

1 par de ganchos da própria mochila de fábrica

1 porta chaves

 

Dimensões

Altura: 42 cm

Largura: 38 cm

 

Qualidade da bolsa:
4 camadas de tecidos diferentes

Bolso exclusivo porta lenços umedecido

Tratamento interno antibacteriano

Material Oxford impermeável

Compartimento térmico para 2 mamadeiras de até 240ml.

Tecido Oxford durável de alta qualidade resistente à derramamento de líquidos externos e fácil de limpar

 

Multi-pocket – Esta mochila possuiu inúmeros bolsos internos e externos:

9 x bolsos de armazenamento (interior)

2 x bolsos para mamadeira (frente)

1 x bolso porta lenço umedecido (lateral)

1 x bolso para garrafa de água com revestimento térmico (lateral)

Land Bolsa Maternidade Amazônia Florida

Capacidade:

Pode colocar garrafas, roupas de bebê, fraldas, latas de leite em pó, copos térmicos, tecidos, etc
1 Bolso com 3 compartimento Térmico para mamadeira (frente),

6 Bolsos de armazenamento (interior),

1 Bolso de compartimento para celular (atrás),

1 Bolso com acesso ao fundo da bolsa (atrás),

1 Bolso porta lenço umedecido (lateral),

1 Bolso (lateral),

Tipo de Fecho: Ziper,

Material Principal: Oxford (Impermeável) – alta durabilidade, resistente à líquidos externos e fácil de limpar,

Altura: 48 cm x largura: 38 cm x profundidade: 26 cm

Peso Aproximado: 600g,

Capacidade: 20 a 35 Litros

Confira as melhores bolsas maternidades aqui

mala maternidade land

Indicada para uma Cesárea? 112 Indicações fictícias para Cesárea que você não deveria acreditar!

parto cesarea

Você foi indicada para um parto cesárea pelo seu Médico, mas tem o sonho de ter um parto normal?

Confira 112 Indicações fictícias para a realização de um parto cesárea e veja quais são os reais motivos para a cesariana!

reais indicaçoes para cesarea

De acordo com estudos, o Brasil vem apresentando nos últimos anos uma das taxas mais elevadas de cesáreas do mundo.

“Muitos fatores apresentam-se relacionados a este fato e envolvem, principalmente, o aprimoramento da técnica cirúrgica e anestésica, a maior oferta de recursos propedêuticos indicando riscos para o feto, o aumento da incidência de gestações em pacientes com cesariana prévia, e fatores socioculturais relacionados à maior praticidade do parto programado.”

Se você está grávida e não tem a intenção de ter um parto cesárea, porém foi indicada para uma cesariana, você deve conferir antes os reais motivos que levam uma gestante a realizar um parto cesárea e os motivos fictícios que você não deve acreditar.

Importante:  

Esse texto é da Médica Melania Amorim (Cientista, pesquisadora)

CRM-PB 5454 RQE 2567

 

Indicações de Cesariana Reais

1) Prolapso de cordão – com dilatação não completa;

2) Descolamento prematuro da placenta com feto vivo – fora do período expulsivo;

3) Placenta prévia parcial ou total (total ou centro-parcial);

4) Apresentação córmica (situação transversa) – durante o trabalho de parto (antes pode ser tentada a versão);

5) Ruptura de vasa praevia;

6) Herpes genital com lesão ativa no momento em que se inicia o trabalho de parto.

 

PODEM ACONTECER, PORÉM FREQUENTEMENTE SÃO DIAGNOSTICADAS DE FORMA EQUIVOCADA

1) Desproporção cefalopélvica (o diagnóstico só é possível intraparto, através de partograma e não pode ser antecipado durante a gravidez);

2) Sofrimento fetal agudo (o termo mais correto atualmente é “freqüência cardíaca fetal não-tranqüilizadora”, exatamente para evitar diagnósticos equivocados baseados tão-somente em padrões anômalos de freqüência cardíaca fetal);

3) Parada de progressão que não resolve com as medidas habituais (correção da hipoatividade uterina, amniotomia), ultrapassando a linha de ação do partograma.

 

SITUAÇÕES ESPECIAIS EM QUE A CONDUTA DEVE SER INDIVIDUALIZADA, CONSIDERANDO-SE AS PECULIARIDADES DE CADA CASO E AS EXPECTATIVAS DA GESTANTE, APÓS INFORMAÇÃO

1) Apresentação pélvica (recomenda-se a versão cefálica externa com 37 semanas mas se não for bem sucedida, discutir riscos e benefícios com as gestantes: o parto pélvico só deve ser tentado com equipe experiente e se for essa a decisão da gestante);

 

2) Duas ou mais cesáreas anteriores (o risco potencial de uma ruptura uterina – variando de 0,5% – 1% – deve ser pesado contra os riscos de se repetir a cesariana, que variam desde lesão vesical até hemorragia, infecção e maior chance de histerectomia);

3) hiv/aids (cesariana eletiva indicada se HIV + com contagem de CD4 baixa ou desconhecida e/ou carga viral acima de 1.000 cópias ou desconhecida); em franco trabalho de parto e na presença de ruptura de membranas, individualizar casos.

Indicações de Cesariana Desnecessárias

Algumas desculpas frequentemente utilizadas pelos profissionais para realizar uma DESNEcesárea (em ordem alfabética)

 

1.   Abdominoplastia prévia

2.   Aceleração dos batimentos fetais

3.   Adolescência

4.   Ameaça de chuva/temporal na cidade

5.   Anemia falciforme

6.   Anemia ferropriva

7.   Anencefalia

8.   Artéria umbilical única

9.   Asma

10. Assalto ou outras formas de violência (gestante ou familiar foi vítima de assalto, então o bebê pode ficar estressado)

11. Bacia “muito estreita”

12. Baixa estatura materna

13. Baixo ganho ponderal materno/mãe de baixo peso

14. Bebê alto, não encaixado antes do início do trabalho de parto

15. Bebê profundamente encaixado

16. Bebê que não encaixa antes do trabalho de parto

17. Bebê “grande demais” (macrossomia fetal só é diagnosticada se o peso é maior ou igual que 4kg e não indica cesariana, salvo nos casos de diabetes materno com estimativa de peso fetal maior que 4,5kg. Não se justifica ultrassonografia a termo em gestantes de baixo risco para avaliação do peso fetal).

18. Bebê “pequeno demais”

19. Bolsa rota (o limite de horas é variável, para vários obstetras basta NÃO estar em trabalho de parto quando a bolsa rompe)

20. Calcificação da sínfise púbica (alegando-se que ocorreria em TODAS as mulheres com mais de 35 anos, impedindo o parto normal)

21. Cardiopatia (o melhor parto para a maioria das cardiopatas é o vaginal)

22. Cesárea anterior

23. Chlamydia, ureaplasma e mycoplasma

24. Circular de cordão, uma, duas ou três “voltas” (campeoníssima – essa conta com a cumplicidade dos ultrassonografistas e o diagnóstico do número de voltas é absolutamente nebuloso)

25. Cirurgia gastrointestinal prévia

26. Colestase gravídica

27. Coleta de sangue do cordão umbilical para congelamento e preservação de células-tronco

28. Colo grosso, colo posterior, colo duro, colo alto e (paradoxalmente) colo curto

29. Colostomia

30. Conização prévia do colo uterino

31. Constipação (prisão de ventre)

32. Cálculo renal

33. Data provável do parto (DPP) próximo a feriados prolongados e datas festivas (incluindo aniversário do obstetra)

34. Datas significativas como 11/11/11 ou 12/12/12 (ainda bem que a partir de 2013 precisaremos esperar o próximo século)

35. Diabetes mellitus clínico ou gestacional

36. Diagnóstico de desproporção cefalopélvica sem sequer a gestante ter entrado em trabalho de parto e antes da dilatação de 8 a 10 cm

37. Dorso à direita, dorso posterior, ou dorso em qualquer outro lugar

38. Edema de membros inferiores/edema generalizado

39. Eletrocauterização prévia do colo uterino

40. Endometriose em qualquer grau e localização

41. Epilepsia e uso de qualquer droga antiepiléptica

42. Episiotomia anterior 

43. Escoliose

44. Espondilite anquilosante – Qualquer espondiloartropatia

45. Estreptococo do Grupo B (EGB) no rastreamento com cultura anovaginal entre 35-37 semanas

46. Exérese prévia de pólipos intestinais por colonoscopia

47. Falta de dilatação antes do trabalho de parto

48. Feto com “unhas compridas”

49. Feto morto

50. Fibromialgia

51. Fratura de cóccix em algum momento da vida

52. Gastroplastia prévia (parece que, em relação ao peso materno, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come)

53. Gestação gemelar com os dois conceptos, ou o primeiro, em apresentação cefálica

54. Gravidez não desejada

55. Grumos no líquido amniótico

56. HPV (só há indicação de cesárea se há grandes condilomas obstruindo o canal de parto)

57. Hemorroidas

58. Hepatite B e hepatite C

59. Hiperprolactinemia

60. Hipertireoidismo

61. Hipotireoidismo

62. História de cesárea na família

63. História de câncer de mama ou câncer de mama na gravidez

64. História de depressão pós-parto

65. História de natimorto ou óbito neonatal em gravidez anterior

66. História de trombose venosa profunda

67. História familiar de fibrose cística do pâncreas

68. Idade materna “avançada” (limites bastante variáveis, pelo que tenho observado, mas em geral refere-se às mulheres com mais de 35 anos)

69. Incisura nas artérias uterinas (pesquisada inutilmente, uma vez que não se deve realizar dopplervelocimetria em uma gravidez normal)

70. Infecção urinária

71. Inseminação artificial, FIV, qualquer procedimento de fertilização assistida (pela ideia de que bebês “superdesejados” teriam melhor prognóstico com a cesárea) – motivo pelo qual esses bebês aqui no Brasil muito raramente nascem de parto normal

72. Insuficiência istmocervical (paradoxalmente, mulheres que têm partos muito fáceis são submetidas a cesarianas eletivas com 37 semanas SEM retirada dos pontos da circlagem)

73. Laparotomia prévia

74. Líquido amniótico em excesso

75. Magreza da mãe

76. Malformação cardíaca fetal

77. Mecônio no líquido amniótico (só indica cesariana se houver associação com padrões anômalos de frequência cardíaca fetal, sugerindo sofrimento fetal)

78. Mioma uterino (exceto se funcionar como tumor prévio)

79. Miscigenação racial (pelo “elevado risco” de desproporção céfalo-pélvica)

80. Neoplasia intraepitelial cervical (NIC)

81. Obesidade materna

82. Obstetra (famoso) não sai de casa à noite devido aos riscos da violência urbana

83. Paciente “não tem perfil para parto normal”

84. Parto “prolongado” ou período expulsivo “prolongado” (também os limites são muito imprecisos, dependendo da pressa do obstetra). O diagnóstico deve se apoiar no partograma. O próprio ACOG só reconhece período expulsivo prolongado mais de duas horas em primíparas e uma hora em multíparas sem analgesia ou mais de três horas em primíparas e duas horas em multíparas com analgesia. Na curva de Zhang o percentil 95 é de 3,6 horas para primíparas e 2,8 horas para multíparas)

85. “Passou do tempo” (diagnóstico bastante impreciso que envolve aparentemente qualquer idade gestacional a partir de 39 semanas)

86. Placenta grau III ou II ou I ou qualquer outra classificação

87. Plaquetas baixas não oclusivas do colo do útero

88. Possível falta de vaga em maternidade para um parto normal, caso a gestante não marque a cesárea

89. Pouco líquido no exame ultrassonográfico (sem indicação no final da gravidez em gestantes normais)

90. Praticar musculação ou ser atleta

91. Pressão alta

92. Pressão baixa

93. Problemas oftalmológicos, incluindo miopia, grande miopia e descolamento da retina

94. Prolapso de valva mitral

95. Qualquer malformação fetal incompatível com a vida

96. Qualquer procedimento cirúrgico durante a gravidez

97. Reação vasovagal

98. Retocolite Ulcerativa 

99. Sedentarismo

100.  Septo uterino/cirurgia prévia para ressecção de septo por via histeroscópica

101.  Ser bailarina

102.  Suspeita ecográfica de mecônio no líquido amniótico

103.  Síndrome de Down e qualquer outra cromossomopatia

104.  Síndrome de Ovários Policísticos (SOP)

105.  Tabagismo

106.  Trabalho de parto prematuro

107.  Trombofilias

108.  Varizes uterinas

109.  Uso de antidepressivos ou antipsicóticos

110.  Uso de heparina de baixo peso molecular ou de heparina não fracionada

111.  Útero bicorno

112.  Varizes na vulva e/ou vagina

texto: Melania Amorim (Médica Go CRM-PB 5454 RQE 2567)

O Diálogo pode ser o Caminho – Com o Psicólogo Luiz Henrique Miranda

Gostaria de retomar sobre um tema muito falado, mas também ainda
necessário nos dias de hoje. Os cuidados com nossa saúde, mas ainda com
nossa saúde mental, antes, durante e a avistar pós pandemia!

Todos estamos vivendo tempos de mudanças, desde o início em que fomos
pegos de surpresa por esse vírus chamado de novo corona vírus (Sars-Cov-
2).
Alteramos nossas rotinas de trabalho, entretenimento, lazer e de cuidados
pessoais.

Tão recente, pensamos que voltaríamos para nossas atividades de forma
rápida, mas sabemos que isso ainda é algo a questionar, ainda mais pela
importância do isolamento e também do que temos escutado e assistido
nas mídias e canais de imprensa, como o aumento dos casos de contágios,
óbitos e consequências da própria doença.

 

AS MAMÃES SÃO SUPER HEROÍNAS?

Todos esperamos ansiosos por uma vacina eficaz contra o vírus, mas até
que isso aconteça, precisamos tomar os devidos cuidados através das
recomendações médicas.

Porém, além de falar do que está presente e vigente em nosso dia a dia,
trago aqui uma pergunta muito importante, como vocês Mamães tem sido
afetadas com tudo isso?

Como tem sido para as Mamães que estão às voltas com os cuidados com
os pequenos lidar com o afastamento de familiares, de seus empregos; e
aquelas que precisam ainda trabalhar: se afastar de seus filhos/filhas em
alguns casos?

Mas ainda, ter que pensar no isolamento e como é preciso se proteger para
também proteger os próximos. Isso te preocupa?

 

MAMÃES CONECTADAS, PORÉM PREOCUPADAS?

As Mamães que leem o blog devem também acompanhar os noticiários e as
headlines compartilhadas pela internet, buscando por informações mais
precisas e seguras.

De fato, isso nos traz alento.
Mas compreendo que também visualizar tantas informações, e ser
atravessado por mudanças (ultimamente constantes) como as regras de
isolamento e retorno, traz também inseguranças diversas.

Se pensa no retorno das creches, escolas, shoppings, clubes.
Mas também se estes estariam seguros para isso
Tem se pensado no comércio, na manutenção da economia, mas pra quem
trabalha, está sendo fácil sair e estar em contato com outras pessoas?

Sair de casa mesmo que seja para ir ao banco ou supermercado. Ufa!

Que
aflição.
Um suspiro.

 

NOSSA SAÚDE MENTAL É MUITO IMPORTANTE

No último texto, escrito no blog, disse sobre alguns tipos de demandas que
chegam até nós, profissionais da Psicologia.
Muitas delas tem se acentuado, nessa pandemia, e outras (novas) também
tem aparecido.

O que cada um sente, é muito particular, alguns conseguem lidar com
algumas situações sozinhas, outras dependem do auxílio de outras pessoas.
Quando somos afetados por situações adversas, muitas vezes, ficamos
inseguros e angustiados. E mesmo com o apoio de amigos e parentes,
necessitamos também de um apoio profissional.

É importante saber que procurar um profissional da Psicologia, também se
torna um cuidado indispensável que precisamos ter com nós mesmos.
Nossa saúde está interligada por aspectos físicos, emocionais, relacionais e
afetivos. E a psicologia se interroga sobre isso!

 

MAMÃES QUE SE CUIDEM, POIS NECESSITAMOS DE VOCÊS

Um olhar direcionado para as Mamães, é algo também primordial nesse
momento da pandemia.
Mamães multitarefas, que cuidam dos filhos, da casa, dos parceiros, de
trabalho.

Mamães: Tá tudo bem por aí?

Como é que isso tudo tem afetado vocês?

Como é também lidar com o cuidado necessário a vocês enquanto
mulheres. Vocês tem tido esse tempo?

Gostaria, ao escrever nesse blog, de ter o retorno de vocês quanto a esses
fatores que citei já em textos anteriores:
– A gravidez
– O parto
– Os cuidados com o bebê e filhos maiores
– O casamento ou separação
– Os relacionamentos
– As mamães solos

– As preocupações e dilemas
– As perdas e os lutos

 

COMO POSSO ME SENTIR BEM?

É verdade que com tantas mudanças acontecendo, a cabeça fica a mil.
Ficamos desnorteados e confusos.

Mas poder vislumbrar um futuro e ter um amparo para seguir adiante, é
primordial.

As Mamães também se preocupam, se questionam, sofrem, choram, vivem
uma mistura de sentimentos.

Hoje, se eu pedir para você nesse momento do texto, olhar para si, você se
vê tranquila?

MANHEEEEEEÊ!!! Ô MÃE!!!
Quantas vezes em momentos de apuros, queremos chamar por nossas
Mães.

Quantas vezes queremos um abraço e um colo, para nos sentir bem?

Quantas vezes choramos, quando pequenos e aquelas que estiveram ali
presentes foram essas importantes mulheres.

Mas pensemos agora, será que para além dessas imagens e boas
lembranças, estavam elas sempre seguras de si? Estavam tão bem e
“fortes”?

 

UM LUGAR DA DIFERENÇA: A MÃE E A MULHER

Como perguntei: vocês mamães, estão cuidando como de si mesmas?

E esse cuidado que por ora é dedicado aos filhos, vou insistir é também
dedicado a vocês?

Vocês tem tempo para um descanso?

Tem aproveitado as companhias diversas (longe dos filhos), os momentos
de casais, com amigos e das confidências tão necessárias para as relações?

São perguntas que gostaria que mesmo que esse nosso diálogo não seja
presencial, pudesse trazer uma reflexão para que vocês avaliem como está
o cuidado e olhar para si.
O que você Mamãe queria antes da pandemia?

O que pôde fazer e
continuar adiante?

E o que foi deixado de lado?

Tudo isso traz ou acarreta algum tipo de sofrimento? De dor? De angústia?

Às vezes, é preciso falar que não está sendo fácil. E temos possibilidade de
reconhecer nossos limites, ou até mesmo, nossos avanços.

Vamos conversar mais sobre isso Mamães? Fico aguardando o retorno de
vocês.

Gosto, ao escrever o texto, de pensar que posso ajudar mesmo a distância
alguma de vocês, pois isso faz parte do meu trabalho. E não vejo melhor
forma do que pelo diálogo e também pelas perguntas.
Como eu bem disse, cada uma pode falar melhor de si e daquilo que lhe é
muito particular. E pode tentar ao ler texto, refletir.

Espero que essa leitura também possa ser leve, diante de tantas outras
informações. Diante de tantos outros dilemas do cotidiano.

Por isso hoje, o propósito é ter nossa conversa de modo descontraído, mas
através um diálogo produtivo.

Comprometido pelo que requer bem esse cuidado, e responsável já que
cuidar de si tem que ser levado a sério!

Fala sério Mãe! Você tem cuidado bem de si? Tem se atentado a suas
necessidades e prioridades?
Podemos compartilhar mais sobre isso? Nos encontramos por aqui…

 

psicólogo infantil

Luiz Henrique Miranda
Psicólogo Clínico
Pós Graduado em Saúde Mental
CRP 04/46378

 

[email protected]

Instagram 

Tudo o que não te contam sobre o Pós-Parto da Cesárea

POS PARTO CESÁREA

De acordo com estudos, o Brasil vem apresentando nos últimos anos uma das taxas mais elevadas de cesáreas do mundo.

“Muitos fatores apresentam-se relacionados a este fato e envolvem, principalmente, o aprimoramento da técnica cirúrgica e anestésica, a maior oferta de recursos propedêuticos indicando riscos para o feto, o aumento da incidência de gestações em pacientes com cesariana prévia, e fatores socioculturais relacionados à maior praticidade do parto programado.”

A questão é, muito se fala sobre o parto, porém pouco se fala sobre o que a mulher irá enfrentar no pós-parto.

Afinal, como é de fato o pós-parto da Cesárea?

 

Pós-Parto

O pós-parto é sempre uma fase delicada para nós Mamães, e exige muitos cuidados.

Sendo o suporte da família nesse momento, fundamental para uma boa recuperação da puérpera.

E quando se trata de um Parto Cesárea, o pós-parto pode ser mais delicado ainda, e irá exigir mais não só da Mãe, como do(a) acompanhante também.

Acredito que cada mulher tenha um processo de cicatrização e recuperação diferente, afinal são corpos, hábitos alimentares, estilo de vida, e saúde distintos, e por isso fica muito difícil compararmos umas às outras.

 

Minha experiência com o Parto Cesária

No meu caso, eu gostaria muito de ter tido um parto normal, e nem cogitava a possibilidade de ter um parto cesárea.

Por inúmeros motivos, mas principalmente por influência da minha Mãe Dulce, que teve dois filhos de parto normal, e apesar de “ter o quadril estreito” como ouço muitas pessoas dizendo ser um empecilho, teve dois partos vaginais sem muito problema. Além disso, por ser Bailarina Profissional e ter estudado todas as posições possíveis(e impossíveis) para um parto natural e humanizado, acreditei que comigo não seria diferente e não me preparei para um plano B, um parto cesárea, e acabei sendo pega de surpresa.


A minha dica:

Estudem todas as possibilidades de parto, tenham um plano A,B,C e se possível D, pois a gestação é marcada por muitas surpresas e o parto é só o começo de uma jornada que será para a vida inteira. Busquem informação sempre que for possível.

 

Leia também:

Quanto tempo depois de ter feito uma cesariana posso voltar a fazer exercícios?

Barriguinha dos Sonhos: Veja 4 Formas de Evitar Estrias durante a Gravidez

Mãe Empreendedora – 10 Idéias para você montar um Negócio e Trabalhar em Casa

Pós-Parto Cesárea

 

Tudo o que não te contam sobre o pós-parto cesárea:

1.A dor para se movimentar

Independente se você escolheu ter um parto cesárea ou não, a dor do pós-operatório é inevitável. Especialmente nas primeiras horas, quando é necessário amamentar, pois apesar de toda a ajuda que será oferecida, você ainda terá que descobrir a posição ideal para você e seu bebê naquele momento.


2.  O sono acumulado

O parto como o próprio nome já diz, é um processo longo e cansativo. É normal após uma cirurgia se sentir mais fraca e com sono devido às anestesias e ao processo em geral. Porém nesse caso, a Mãe não consegue descansar o suficiente, pois além de estar super ansiosa com a chegada do bebê, precisa amamentar, o que priva ela de dormir como deveria.

3.  A necessidade de uma rede de apoio

É fundamental que a puérpera que passou por uma cirurgia cesárea tenha uma rede de apoio. Se puder ter uma pessoa que ajude com o bebê e outra que ajude a Mãe melhor ainda. Os primeiros dias são muito difíceis para a Mãe, e simples coisas como ir ao banheiro, tomar banho e deitar na cama podem ser um pesadelo. Por esse motivo, toda ajuda nesse momento será bem vinda.

4.  Dor para amamentar

Além da Mãe de primeira viagem não ter experiência com a amamentação, ela possui uma cicatriz recente que exige muita cautela. A Mãe está em uma fase de aprendizado, assim como o bebê, e a busca pela posição perfeita será constante na hora de amamentar e isso muitas vezes poderá ser muito dolorido para ela, pois o movimento de ir para trás e para frente, que é um dos mais usados, exige muito do corpo da mulher naquele momento.

5. Inchaço na barriga

Ao contrário do parto normal, onde a barriga volta a forma “normal” mais rapidamente, a barriga da mulher que teve uma cesariana irá enfrentar um processo mais lento. No meu caso, só após 1 mês da cirurgia comecei a ver a minha barriga desinchando. Porém cada mulher terá um processo diferente.

6. Possíveis dores na lombar

De acordo com estudos, a cicatriz do parto Cesariana pode provocar dores na lombar.

“Existem três tipos de casos de dores lombares. No primeiro grupo estão a mulheres que já têm dores lombares no processo de gravidez, que se intensificam com a aderência das cicatrizes causadas pela cesária. Outro grupo é formado por mulheres que, depois do processo de cesariana, desenvolvem dores somadas pelo carregamento dos bebês, forma incorreta de postura na amamentação, colocação no berço, que forçam mais as costas, que ficam sobrecarregas. E por fim, existem as mães que, passado todo este processo, ela começa a sofrer as influências das cicatrizes três meses após a cesárea, com o aparecimento de dores lombares com ou sem irradiação para as pernas.”


 

Leia também:

Quanto tempo depois de ter feito uma cesariana posso voltar a fazer exercícios?

Barriguinha dos Sonhos: Veja 4 Formas de Evitar Estrias durante a Gravidez

Mãe Empreendedora – 10 Idéias para você montar um Negócio e Trabalhar em Casa

 

Veja o vídeo relacionado ao mesmo assunto:

No vídeo de hoje, temos uma convidada mais que especial, que é a minha Mãe Dulce (ela acompanhou todo o processo de pertinho) e juntas nós explicamos como foi o meu pós-parto, damos dicas para as Mamães, além de contar todos os desafios enfrentados durante essa fase. Espero que esse vídeo possa clarear a mente de vocês e ajudar de alguma forma. Não perca e compartilhe com outras Mamães! Assista!

E não esqueça de se inscrever no nosso Canal, (você estará nos ajudando muito!) e ativar o sininho de notificações para ficar por dentro dos próximos vídeos!

 

CLIQUE NO PLAY E VEJA> RECUPERAÇÃO DO PÓS-PARTO CESÁREA – TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER!

 

Gostou do post? Deixa um comentário eu vou adorar te responder.

Beijos,

Deborah

Estrias na Gravidez: As melhores dicas para evitar estrias na barriga!

estrias na graviedz

Mamãe! Parabéns! Você está grávida!

Nesse artigo você irá encontrar as melhores dicas de como evitar estrias na barriga durante a Gravidez.

A gravidez é um momento muito único na vida de uma mulher, e é comum nesse período o corpo passar por algumas transições, afinal você está gerando uma vida não é mesmo?

Uma das características mais comuns dessa fase é sofrer com o aparecimento das indesejáveis estrias na barriga.

 

Salve esse pin para ler mais tarde!

como evitar estrias durante a gravidez

De acordo com estudos, 59,8% das mulheres tiveram estrias durante a gravidez, sendo a maior parte delas jovens.

“ O mecanismo fisiopatológico das estrias é incerto, mas pode estar relacionado com estiramento da pele, que causa lesão nas microfibrilas das fibrilinas, as quais, nas mulheres mais jovens, poderiam ser mais frágeis e, portanto, mais susceptíveis a ruptura.”

O surgimento da estria está diretamente relacionado ao estiramento da pele e pode ocorrer devido à diversos fatores, podendo ser mais encontrada em partes do corpo como:

  • bumbum
  • Barriga
  • Seios
  • Quadril

Para evitar as estrias durante a gravidez é muito importante que você procure tomar certos cuidados que iremos citar ao decorrer desse artigo, lembrando sempre de tirar todas as suas dúvidas com um Médico.

O cuidado com a pele durante a gravidez é essencial, e a atenção deve ser redobrada durante os últimos meses de gestação, quando o bebê já está mais desenvolvido e a tendência é a barriga “esticar” mais.

 

Veja também: Ensaio de Gestante – As Melhores Dicas e Idéias de fotos para Gestante

Como evitar estrias na barriga durante a gravidez?

1.Beba água

Já sabemos os inúmeros benefícios da água, e durante a gravidez o recomendado, de acordo com a Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, é que a gestante tome 3 litros de água por dia, e as lactantes 3,8 litros, o que daria em média de 10 à 13 copos de água por dia.

A água além de eliminar toxinas, tem o poder de deixar a pele hidratada, mantendo a elasticidade e tonicidade durante mais tempo, evitando dessa forma o ressecamento e o aparecimento de estrias.

A dica é deixar sempre uma garrafinha de água perto de você e se possível colocar um lembrete no seu celular para que você lembre de beber água com frequência.

2.Faça exercícios

Outro fator que aumenta a probabilidade do aparecimento de estrias na barriga durante a gravidez é o ganho de peso muito rápido.

Sabemos que é comum durante essa fase a mulher ter desejos e deixar a dieta de lado, contribuindo para o ganho de peso substancialmente. Por esse motivo, uma ótima forma de manter o corpo é fazendo exercícios leves.(Converse com o seu Médico e veja a atividade ideal para você.)

Dica: As opções que eu mais indico são dança, caminhada e hidroginástica.

  • A dança traz diversos benefícios para a gestante, tanto psicológico quanto físico, e ajuda a manter o corpo de uma forma divertida, funcionando como uma espécie de terapia.
  • A caminhada é uma ótima forma de manter o corpo, e distrair a mente. 15 minutinhos por dia é o suficiente para que você se sinta melhor com o seu corpo e mais alegre durante o seu dia.
  • A natação/hidroginástica pode ser uma ótima aliada da gestante durante essa fase. É muito comum que a mulher se sinta mais cansada durante a gravidez, especialmente durante os últimos meses de gestação, devido ao peso da barriga. Por isso, uma ótima forma de se exercitar e não sentir tanto o peso da barriga é fazendo hidroginástica ou nadando, dentro da piscina, ou na água do Mar. Você irá se sentir leve como uma pluma dentro da água!

 

3. Tenha uma Alimentação Saudável Rica em Nutrientes

É de extrema importância que a gestante tenha uma alimentação saudável durante esse período, para que o bebê se desenvolva de uma forma saudável. Por isso, tenha uma alimentação saudável rica em nutrientes com:

  • vitamina C
  • Vitamina D
  • Zinco
  • Ferro
  • Vitamina E
  • Proteínas
  • Ferro

De acordo com estudos, uma dieta que contenha esses alimentos que iremos mostrar a seguir, é completamente equilibrada, oferece todos os nutrientes básicos , e tem se mostrado eficaz  na prevenção do excesso de peso na gravidez.

 

 

dieta rica em nutrientes para graidez

Café da manhã (ao acordar)

  • Leite e/ou derivados;
  • cereais (pães, flocos de cereais);
  • frutas.

Almoço e jantar (duas vezes ao dia)

-Cereais (arroz, milho, trigo, etc.);

  • leguminosas (feijão, ervilhas, soja, lentilhas, etc.) ou raízes/bulbos (batata, mandioca, etc.);
  • um alimento de origem animal (carne e derivados, leite e derivados ou ovos);
  • salada de vegetais crus ou pouco cozidos, principalmente os verde-escuros.

Lanches (duas a três vezes ao dia)

Pequenas refeições que devem ser realizadas nos momentos de fome entre o café da manhã e o almoço, entre o almoço e o jantar e após o jantar

Frutas ou sucos de frutas, pão e cereais, leite ou queijo ou iogurte.

 

4.Cuide-se

As estrias na barriga são mais comuns durante o segundo e o terceiro trimestre, devido ao grande estiramento da pele. Por isso, é importante que você fique atenta ao aparecimento delas, e trate-as desde cedo, pois uma vez que elas se tornem brancas, será muito mais difícil para removê-las.

 

Cremes e Óleos para evitar estrias na barriga durante a gravidez

 

1.Creme Prevenção de Estrias Mustela Para Gestantes, com Ativos Naturais e Patenteados, 150 Ml, Mustela Maternité, Vermelho, Médio/150 ml

2.Creme Corporal Para Gestante, PAYOT, Branco

 

 

3.Óleo Prevenção de Estrias para Gestantes de Rápida Absorção, Mustela Maternité, Vermelho, Médio/105 ml

4.Kit Creme Hidratante Loção Corporal Preventiva Anti Estrias Gestante Labotrat

 

5.Palmer’s Cocoa Butter Reafirmante de Busto 125g

 

5.Bio Oil Óleo para cuidado da pele, 125 ml

 

 

Espero que vocês tenham gostado das dicas de como evitar estrias durante a gravidez !

 

 

 

 

Enxoval de Bebê – 12 Produtos que não podem faltar na sua lista!

enxoval de bebÊ

Enxoval de Bebê – 12 Produtos que não podem faltar na sua lista!

Esse é um assunto, que sempre gera bastante dúvida entre as Mamães de primeira viagem:

 O que realmente eu vou precisar nos primeiros meses?

 A minha dica, é você comprar de acordo com a necessidade, pois só assim poderá avaliar o que você e o seu bebê realmente precisam ou não, durante os primeiros meses da Maternidade.

 

 

quarto de bebê

Por esse motivo, separei os 12 produtos que não podem faltar na sua lista de bebê!

 

(esse post contêm links de afiliados)

 

Leia também:

O lugar que os filhos ocupam no ambiente familiar e nos lares em que vivem – Psicólogo Luiz Henrique Miranda

Ginásio de Atividades Fisher Price é bom? Vale a pena?

Como aliviar as dores dos dentinhos do bebê? Médicos e Mães dão dicas!

 

 

          1.Carrinho de Bebê

 

2.Bebê Conforto

 

 

 

 

bebê conforto3.Bolsa Maternidade

 

 

 

bolsa maternidade, mochila maternidade4.Ninho Redutor

 

 

 

ninho redutor berço5.Berço

 

 

 

berço,berço de bebê,berço portátil, brço portátil bege6.Sling/Canguru Ergonômico

 

 

 

canguru bebê, canguru ergonômico7.Almofada de Amamentação

 

 

 

almofada de amamentação8.Bomba de tirar leite

 

 

 

bomba de tirar leite, bomba de tirar leite manual9.Manta

 

 

 

manta para bebê10.Kit Higiene Bebê

 

 

 

kit higiene bebê11.Banheira

 

 

 

banheira de bebê12.Toalha de bebê

 

 

 

toalha de bebêCrie sua lista de bebê na Amazon  e ganhe 10% de desconto na compra de produtos elegíveis até 1 ano após o nascimento do seu bebê. 

Leia também:

O lugar que os filhos ocupam no ambiente familiar e nos lares em que vivem – Psicólogo Luiz Henrique Miranda

Ginásio de Atividades Fisher Price é bom? Vale a pena?

Como aliviar as dores dos dentinhos do bebê? Médicos e Mães dão dicas!

 

 

 

Espero que tenham gostado da minha lista !

 

Confira mais Produtos que você irá precisar aqui.

Relato de Parto Normal Humanizado com plano de saúde!

relato de parto normal

O Relato de Parto de hoje, é da Liana.

Ela é Professora de Dança, e nos conhecemos através do Zouk. Tive o prazer de acompanhar de perto sua gestação, e sempre conversávamos sobre o quanto queríamos ter um Parto normal humanizado, e o quanto estava sendo difícil achar um Médico no Rio de Janeiro, através do Plano de Saúde, que não fosse Cesarista.  O Relato de Parto da Li, é uma esperança de que, ainda é possível sim, ter um Parto Humanizado pelo Plano de Saúde.

 

 

relato de parto

 

Nascimento de Clara

” A dor é inevitável, o sofrimento é opcional.”

Desde o dia 26/10 meu corpo e Clara estavam mostrando sinais de amadurecimento, logo pela manhã perdi bastante quantidade de tampão, fiquei radiante na esperança de já serem indícios de que o encontro com a minha filha estava próximo!

No domingo fomos à praia, segui perdendo tampão ao longo do dia, e fomos ficando cada vez mais animados. Na segunda acordei com aquela cólica de menstruação bem chatinha… Em paralelo a esses acontecimentos, meu marido me diz que se Clara nascer após dia 01 de novembro, ele iria perder a licença paternidade de 20 dias pois já tinha férias marcadas pro dia 4 de novembro.

Foi então que resolvemos induzir o parto. Liguei pra médica na segunda dia 28, na hora do almoço e ela pediu que eu internasse às 15h… Eu não estava nem um pouco preparada psicologicamente pra dar a luz a uma criança naquele dia, mas quem está? Na verdade, nunca estamos…

Cheguei na Perinatal de Laranjeiras por volta das 15h30m, e a cólica chata ia e vinha… À noite a médica chegou, e iniciou a indução com misoprostol às 20h. Combinamos dela voltar às 2h da manhã para o segundo comprimido. Mas… Clara resolveu vir logo e acabar com nossa ansiedade. Estávamos eu e meu marido deitados naquela cama apertada de hospital vendo TV quando eu brinquei — Vamos chamar a Clarinha, amor, para ela vir logo! – E ficamos alisando minha barriga dizendo – Vem Clarinha! –

relato de parto normal

“E então senti a bolsa romper num estalo, uma sensação estranha e aquele aguaceiro molhou a cama toda! Estava acontecendo! E eu não podia estar mais feliz!”

Chamamos a enfermeira que começou a monitorar, fizemos o cardiotoco, tudo normal. Logo começaram as contrações, no início bem tranquilas, dolorosas, mas dava pra aguentar! Logo chegou a médica e fez o primeiro toque, 2-3 de dilatação! Que alegria! Após esse primeiro toque as contrações vieram mais fortes e vinham cada vez mais fortes! Os intervalos começaram a diminuir também, o que estava me deixando sem ar, e eu não conseguia mais descansar entre uma contração e outra, evoluiu rápido demais para uma primípara, estava começando a ficar assustada com a falta de controle com meu próprio corpo, minhas pernas não respondiam, tudo doía demais! Meu marido tinha que me levantar, apoiar, ajudar a andar etc! Fui pro chuveiro, voltei pra cama… não achava posição… veio o segundo toque, 7-8 cm, a dor estava muuuuuuito intensa! Pedi anestesia, e tomei uma pequena dose de peridural.

Fomos para a sala de parto, sob efeito da anestesia, ainda sentia as contrações, porém dava pra suportar melhor… segui tentando achar uma posição confortável, fui pra banheira, fiquei na banqueta, fui pra cama, rebolei na bola Suíça, ficava em pé! Enfim, é maravilhoso poder fazer o que quiser no seu parto! Liberdade de movimentação é fundamental!

E essa troca de posições foi ajudando na descida da neném que fez maravilhosamente seu papel sem diminuir a frequência cardíaca nenhum minuto sequer!

Enfim, lá pelas tantas da manhã, a anestesia já tinha passado efeito. Parto estava estagnado, e a médica perguntou se podia colocar ocitocina no meu acesso para voltar a engrenar e eu consenti! E lá vieram as dolorosas e potentes contrações da transição… mais algumas horas depois e pela altura que estava o sonar, já imaginávamos que Clara já podia ser tocada lá dentro, e lá estava ela, quando eu me toquei e senti que ela já estava chegando, Deus me deu ainda mais força. Foi aí que as contrações deram lugar aos puxos! Uma onda que te domina e você simplesmente empurra! Na fisioterapia pélvica eu aprendi a associar a minha respiração com os puxos, e me concentrei para empurrar do jeito certo! Ela coroou! O círculo de fogo é realmente DE FOGO! Como arde! A médica tira uma foto e me mostra pra eu me animar!

Começa o expulsivo… Cogitei a possibilidade de anestesia de novo, mas a médica me convenceu de que já estava muito perto e que tinha certeza que eu aguentava mais. Nessa hora vai batendo o desespero pq vc quer que acabe logo e eu comecei a querer fazer força fora dos puxos, e minha médica me puxava a orelha – você está fazendo força fora do puxo Liana? Não faz isso, espera o puxo! – me concentrei novamente para esperar o puxo apesar da dor insuportável que estava sentindo a essa altura.

Meu marido foi meu apoio mais fundamental nessa hora crítica, apoiava nele nos puxos e quando relaxava me jogava com meu peso todo em cima dele! Eu gritava! Ele gritava! A equipe gritava – Vai! Falta muito pouco! Fechei os olhos e ouvi muita movimentação ao meu redor, como se cada um estivesse fazendo algo e se colocando perto de nós! Pensei…. ta muuuuuito perto! A dor estava lancinante, pensei q ia desmaiar várias vezes… me senti como em um transe, fora de mim…

E às 6: 54, de repente, ela saiu, e senti o alívio mais maravilhoso do mundo! Ela veio pros meus braços e com os olhos abertos me olhou, olhou pro pai, olhou pra médica que falou – Bom dia princesa! – e aí ela chorou! Desfrutamos a Golden Hour pelo tempo que eu quis, senti aquela pele macia dela pela primeira vez, abracei, cheirei, tentamos dar o peito, mas ela não conseguiu pegar na hora, só mais tarde no quarto já… Dei ela pro pai, que não se aguentava de tão feliz, ele cortou o cordão. Foi lindo! Foi um parto a três, onde eu, meu marido e Clara formamos um time e cada um fez seu papel e tudo deu certo! Um parto emocionante, cheio de ocitocina, amor e respeito! Com uma equipe maravilhosa que respeitou as minhas escolhas até o fim!

bebê, relato de parto normal

Sim! Existe parto humanizado com plano de saúde!

Obrigada a cada um que fez parte desse nosso momento! Dra Marina Lacerda que orquestrou maravilhosamente cada momento do parto, a pediatra, as enfermeiras e principalmente Deus, quem permitiu que tudo acontecesse do jeito que aconteceu! 

 

Coronavírus: É seguro amamentar?

amamntação

 

O que é coronavírus? (COVID-19)

 

 De acordo com o artigo publicado no Ministério da Saúde,

“o Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).”

 

O que fazer para evitar? 

 

1.Lavar bem as mãos é o primeiro passo. ( Se não puder lavar as mãos no momento, passe álcool gel 70%.)

Lave entre os dedos, palma das mãos, em cima das mãos e antebraços. Se estiver usando anel, tire o anel, lave-o, e depois que lavar as mãos, coloque-o de volta.

 

2.Evite lugares aglomerados como shopping, mercados, metrôs, e etc.

 

3.Evite objetos compartilhados. Procure usar tudo descartável se possível.

 

4.Esteja seguro de manter o seu corpo saudável: alimente-se bem, beba bastante água e descanse.

 

5.Evite colocar as mãos nos olhos, boca e nariz.

 

6.Não se esqueça de lavar as mãos do seu bebê e rosto sempre que for necessário, já que eles colocam a mão na boca e rosto com mais frequência.

 

7.Mantenha a vacinação do seu bebê em dia, evitando assim, que ele venha a ter algo mais sério, e necessite de cuidados Médicos, já que os postos de saúde estarão voltados para os casos de Coronavírus.

 

 

O Corona Vírus pode ser transmitido através do leite Materno? 

 

 Por ser uma fase muito inicial, não há estudos suficientes que comprovem que o Coronavírus seja transmitido no leite Materno, de acordo com o infectologista do Hospital Emílio Ribas (SP) Jean Gorinchteyn.  Atualmente, o único vírus atualmente confirmado ser transmitido através do leite Materno é o HIV.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 

 

“As puérperas, em bom estado geral, devem manter a amamentação utilizando máscaras de proteção e higienização prévia das mãos. A OMS leva em consideração os benefícios da amamentação e o papel insignificante do leite materno na transmissão de outros vírus respiratórios na amamentação, desde que as condições clínicas o permitam.”

Fontes:

https://g1.globo.com/

https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/coronavirus

https://www.who.int/eportuguese/countries/bra/pt/